Festival LivMundi neste fim de semana

Publicado em 07/06/2018

O festival de vida sustentável terá plantio de guarajuba, uma das três plantas brasileiras declaradas Extintas na Natureza (EW) pela Lista Vermelha da UICN, e que está documentada no Livro Vermelho da Flora Endêmica Ameaçada de Extinção.

A segunda edição do Festival de Vida Sustentável LivMundi ocorre nos dias 9 e 10 de junho, próximo fim de semana. Acolhido pelo Parque Nacional da Tijuca, o evento ocorre no Parque Lage e tem entrada franca, sendo necessária somente a inscrição em livmundi.com. O festival tem como principal objetivo falar sobre vida sustentável em todos os aspectos – social, econômico e ambiental – e nasceu da vontade de buscar novos caminhos de desenvolvimento sustentável e estimular o cidadão a participar de projetos transformadores em sua comunidade.

 

Meio Ambiente, Cidadania, Educação e Futuro são alguns dos assuntos prometidos para serem levantados durante o festival, que traz debates, oficinas, sessões de cinema, feiras, trilhas e tantas outras atividades, todas gratuitas. Confira a programação completa aqui.

 

No sábado à tarde, durante o Mutirão de Manejo Florestal, coordenado pelo Parque Nacional da Tijuca, haverá plantio de mudas de guarajuba (Terminalia acuminata), fruto da pesquisa de Eduardo Fernandez, pesquisador do CNCFlora/JBRJ.

 

Declarada Extinta da Natureza (EW) pela Lista Vermelha da UICN, a guarajuba foi redescoberta em 2015, após 73 anos sem documentação na natureza. A espécie, considerada Em Perigo (EN) pelo CNCFlora, é encontrada em florestas do Centro-Sul do território fluminense.

 

O plantio de mudas no Parque Nacional da Tijuca é parte das ações de conservação previstas para a efetiva proteção da guarajuba, recentemente documentada novamente dentro dos limites do Parque Nacional da Tijuca e do Parque Estadual Serra da Tiririca após muitos anos sem qualquer informação.

 

Atualmente, existem seis indivíduos maduros cultivados no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, logo, ações de conservação ex situ adicionais devem ser feitas para complementar a baixa diversidade genética contida nos espécimes cultivados no arboreto do JBRJ.

Mais notícias